top of page

Tecnologia que transforma lodo em energia é inaugurada em Arraial do Cabo



Projeto Retransformar que visa fazer o reaproveitamento do resíduo convertendo-o em gás biocombustível e carvão vegetal será testado na ETE do município

A Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) de Arraial do Cabo, município da Região dos Lagos é o local onde será desenvolvido o projeto Retransformar. Trata-se de uma Unidade de Tratamento de Resíduos (UTR), que com uma tecnologia inovadora e sustentável, irá transformar o lodo resultante do tratamento do esgoto doméstico, material que geralmente é descartado em aterro sanitário, em uma substância que pode ser tratada e reutilizada como gás biocombustível ou em um tipo de carvão vegetal, chamado biochar, elemento útil para aplicação na agricultura, para recuperar solos degradados e sequestro de carbono. Os testes do projeto de tratamento de lodo por ‘pirólise lenta à tambor rotativo’, acontecem na unidade operacional da Prolagos, financiada pela Águas do Rio e Secretária Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação, em parceria com Agenersa, Universidade Federal Fluminense (UFF) e Prefeitura de Arraial do Cabo. A unidade terá capacidade para tratar todo o lodo produzido na ETE, ou seja, cerca de 2 toneladas por dia e o projeto terá duração de 3 anos. O equipamento utiliza a ‘pirolise lenta a tambor rotativo’, ou seja, um processo de decomposição termoquímico da matéria.

O gás produzido é filtrado e enviado para queimadores e para geração de energia. Uma parcela do gás retorna para alimentar o processo e com isso, não são produzidos gases poluentes ou tóxicos. “Os testes que serão realizados produzirão resultados inovadores no país. Iremos analisar quais são as melhores formas de reaproveitamento do lodo e quais terão melhor custo x benefício, impactando não só empresas voltadas para o saneamento, como também outras indústrias. Também iremos estudar formas de aumentar a capacidade da planta para atendermos estações de tratamento ainda maiores. Por meio de softwares, criaremos gêmeos digitais da unidade e faremos testes simulando a expansão da produtividade”, explicou Rodolfo Cardoso, doutor em Engenharia de Produção, da Universidade Federal Fluminense, responsável pelo projeto. No Brasil, existem muitas formas de tratamento e reaproveitamento do lodo, mas dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE – 2017) indicam que menos de 5% do lodo sanitário é reaproveitado, a maioria é aplicado como compostagem, na incineração e outras formas de gaseificação. “Nossa intenção é construir modelos de aplicação para as diferentes condições das Estações de Tratamento de Esgoto no estado do Rio de Janeiro. Esse investimento vai permitir transformar o lodo, um passivo ambiental de alto impacto, que atualmente é descartado em aterro sanitário, em benefícios para a natureza e sociedade, promovendo uma operação mais sustentável”, ressaltou Pedro Freitas, diretor-presidente da Prolagos

2 visualizações0 comentário
LÚMEN FACHADA_edited.jpg
Captura de Tela 2022-03-31 às 10.17.18.png
Captura de Tela 2022-03-31 às 10.16.52.png
PM MEU LOTE MINHA HISTÓRIA_edited.jpg
bottom of page